GAMES 4U
 
27/11/2017

Redação Games4U

Okhlos e o panteão grego segundo os "hermanos"

RPG, Arcade, PC 

Se há algo que jogos “ensinaram” muito bem é não irritar os deuses, principalmente o Panteão Grego. Okhlos, porém, parece não ter recebido o memorando. Mas se não fossem pelos deuses e um filósofo irritado, não teríamos uma das mais bizarras e engraçadas histórias que vimos nesta temporada. Narrada por Homero, ela conta basicamente a história de como um filósofo e sua gangue derrotou os deuses. Sim, não há mais nada do que isto e a simplicidade que o torna tão especial.

A jogabilidade tem grande ênfase em desenvolver táticas, mas pelo uso de certas ações no “timing correto”. O jogador tem basicamente quatro comandos: Atacar, defender, reagrupar e desagrupar. Cada mapa parece como uma dança rítmica para eliminar os inimigos: ataque, defenda, reagrupe, tome cuidado com as armadilhas. Ele torna tarefas complicadas como gerenciar unidades e ter controle sobre um mapa em algo simples.

O grande problema de muitos jogos que tentam implementar táticas é justamente isso: não ter um bom ponto de referência para que o jogador consiga se situar dentro da ação. Muitas vezes é preciso recorrer a guias ou a um longo tutorial para ter alguma noção do que acontece.

Quando você menos espera lá está você com hordas de gregos em um estilo pixel art muito bem produzido que gritam “Spartaaa!” ou “Rekt!” das maneiras mais ridículas possíveis enquanto desvia de bolas de fogo ou tenta manter seus seguidores longe de ameaças.

Quando você tem um ponto de referência, um personagem, todo o resto chega com naturalidade. Nas primeiras fases você aprende quase instintivamente quando deve desagrupar ou reagrupar os seguidores. Quando as fases evoluem, novos elementos são introduzidos, como armadilhas no cenário ou baús que escondem veneno e causam dano.

Okhlos

Redação Games4U

Okhlos

Por ter elementos de permadeath — ou seja uma morte faz com que você volte até o começo — também inclui um interessante sistema de progressão baseado nos “heróis” daquele período. A naturalidade do aprendizado e a forma que você os libera — ao passar de certas fases ou de maneira aleatória — dá poder ao jogador de “olha, eu morri, mas eu me dei bem”. E com isso você vai pronto para uma próxima batalha, desta vez mais experiente e com uma melhor noção de se defender das possíveis ameaças.

O único problema para quem realmente não tem contato com o gênero ou com mecânicas apresentadas por Okhlos se mantém unicamente na disposição visual de elementos como melhorias temporárias que são obtidas por alguns personagens. Elas devem ser ativadas com um dos botões do teclado ou do controle e as vezes ficam obstruídas por conta da enormidade de gregos irritados a sua frente.

Não esperamos que um jogo independente revolucione toda uma indústria, mas que quebre algumas convenções. Okhlos é carismático, viciante, engraçado e desafiador. E muito recomendado.

(Lucas Moura)

compartilhe

Confira as notícias e vídeos do mundo dos games

Vivo Keyd na estreia da Clash Royale Nations Cup
Você já pode testar o novo capítulo de Elder Scrolls Online
Soulcalibur VI é invadido pelas katanas de Yoshimitsu
Destiny 2 traz de volta funcionalidades pedidas pelos fãs